Não acho que você mereça um texto, mas vamos lá. Você era super popular entre todos, sempre foi. Extremamente inteligente, criativo, gostava de brincadeiras e de mandar. Fiquei muito feliz quando você me deixou participar da sua brincadeira, e por ter feito parte do seu grupinho. E ainda assim, éramos só colegas que trabalhavam juntos, nada demais. E então, alguma coisa mudou. Passamos a nos falar mais. E bem, eu gosto de conversas estimulantes, mas as suas eram bizarras.

Não diria que cheguei a gostar de você, mas foi legal ver um cara bacana de vez em quando, por baixo dessa superfície toda. E ajudava a gente ter tantas coisas em comuns, tais como o amor por sagas épicas. Será que os seus amigos mais íntimos sabiam que por trás de toda essa máscara, você era apenas um garoto que queria receber uma cartinha de Hogwarts? Eu duvido que eles te conheciam tão bem, você tinha essa pose de "durão", sabe... você me deixou por meses achando que não tinha sentimentos.


No final do dia, somos o que somos, certo? Você era um misto de completa (palavras censuradas) com um copo de água com açúcar. Você tinha essa paixão por livros, pelas histórias, quem diria? Você tinha seu lado romântico e poeta, no final das contas. Mas por que eu acabei vendo isso? Não sei.

Sério, não sei como, mas tenho lembranças da gente se falando por horas e horas e horas. Você me ligaria pra contar alguma coisa do seu dia ou se gabar de mais uma de suas conquistas. Era tão nojento a forma como você tratava as garotas, e como elas deixavam isso. Sabe quantas mensagens de meninas eu tive que ler por sua causa? Elas estavam curiosas com essa nossa amizade, porque de repente, só por um breve momento, éramos eu e você. Bizarro, ne? Tinha um "nós" ali, bem distorcido.

O que posso dizer? A sua tatuagem do Tolkien me derreteu. Você podia ser o pior canalha em se tratando de sentimentos, mas quando você começava a falar do nosso mestre, seus olhos brilhavam e você sabia que eu te entendia. Ah, como eu entendia... Achava fascinante o fato de que você aprendeu sozinho a língua dos elfos.


E então você começou a namorar, e quando eu achei que ia mudar, não... você tinha que continuar com suas piadas sujas e rir de mim porque eu tinha algo que você gostava. O que me surpreendia era sua namorada deixar... Credo. Sabe, patético, na minha opinião. 

Você me contou dos livros que pretendia publicar, das suas histórias. Me pergunto se conseguiu realizar esse sonho. Me lembro que me contou alguma coisa, não sei o que era, e acabei contando pra alguém. Não sei se foi de propósito, não sou assim sabe... realmente levo a sério o que me contam. Provavelmente, foi aquela situação onde você me contou uma das várias coisas que ninguém mais sabia, e você confiava em mim e o fato de eu ter quebrado sua confiança ao contar pra outro te fez ficar meio... distante. 

Você não queria mais conversar. Não queria mais ouvir minha voz, e nem eu a sua. E isso nem deve fazer mais diferença, já fazem anos e isso é tão insignificante. Mas sinto muito por trair sua confiança, ok? Me lembro que você reclamou disso, por que você reclamou? Não é como se tivesse dito, "ei, não conte pra ninguém". Tanto faz. Sinto muito. Não achava que significava muita coisa na época, e talvez eu devesse ter valorizado mais sua amizade. 


Só que depois disso, você passou a me tratar como se eu fosse nada. Sem mais telefonemas, sem mais risadas, nada. Porém, teve uma parte boa em tudo isso, porque acabei tocando pra frente minhas próprias ideias, e meio que indiretamente inspirada nas suas. É isso. Espero que esteja bem, seja lá como for. E por favor, que tenha aprendido ou aprenda a respeitar mais as mulheres. Algumas das suas merdas eram engraçadas, confesso, mas outras eram realmente... se eu não fosse sua amiga na época, teria te mandado pra um lugar bem inapropriado.

Adeus;


0 Comentários