Título:  Inappopriate
Autor: Vi Keeland
Gênero: romance contemporâneo
Páginas: 364
Editora: C. Scott Publishing Corp
Ano de lançamento: 2020


Um novo e sexy romance independente da best-seller nº 1 do New York Times, Vi Keeland.
Demitida por comportamento inadequado.
Eu não podia acreditar na carta em minhas mãos.
Nove anos. Nove malditos anos eu trabalhei duro para uma das maiores empresas dos EUA, e fui demitida com uma carta formal quando voltei para casa de uma semana em Aruba.
Tudo por causa de um vídeo feito quando eu estava de férias com minhas amigas — um vídeo privado feito no meu tempo privado. Ou assim eu pensei ...
Irritada, abri uma garrafa de vinho e escrevi minha própria carta ao CEO bilionário dizendo-lhe o que eu achava de sua empresa e suas práticas.
Não achei que ele responderia.
Eu certamente nunca pensei que de repente me tornaria amiga por correspondência do idiota rico.
Eventualmente, ele percebeu que eu tinha sido injustiçada e certificou-se que eu tivesse meu emprego de volta.
Só que ... Não era a única coisa que Grant Lexington queria fazer por mim.
Mas não tinha como me envolver com o chefe do meu chefe. Mesmo que ele fosse ridiculamente lindo, confiante e charmoso.
Seria completamente errado, inapropriado mesmo.
Como o vídeo que me meteu em problemas para começar.
Um erro não justifica o outro.
Mas às vezes é duas vezes mais divertido.

Quando eu li a sinopse desse livro, confesso que não tinha gostado muito não. Eu amo um clichê, mas já li tantas histórias de mocinho rico que entra em um relacionamento com a mocinha que trabalha pra ele que eu não queria mais um desse estilo. Porém, decidi dar um voto de confiança para a Vi Keeland, porque o livro anterior que li dela, Metido de Terna e Gravata foi SENSACIONAL.




E gente, eu comecei a ler e não conseguia parar de tão incrível que foi essa história e preciso compartilhar isso com vocês! Tudo começou quando a repórter  Irlanda Saint Jame é demitida injustamente porque ficou de topless numa praia. É um vídeo de 30 segundos que foi parar no rh da empresa, pois no contrato existe uma cláusula que especifica que nenhum funcionário pode se envolver em escândalos ou algo imoral, ainda mais ela que aparecia na televisão. Só que assim, nem foi ela que postou o vídeo, foram amigos e isso nem saiu na mídia nem nada: é que o chefe dela é um babaca que queria arrumar um motivo para demiti-la.

E ela ficou puta da vida, porque ela nunca fez nada errado, estava de férias em um momento de lazer. E o chefe dela foi um cínico que ficou vasculhando as redes sociais dela e dos amigos, e totalmente revoltada ela encheu a cara e mandou um email para o presidente da empresa. Xingou de tudo que é nome, mandou ele tomar no cu, falou dos anos de carreira dela e ser demitida por um cara machista e idiota?


Teve até um momento que ela diz que o chefe dela contratou um cara bem menos desqualificado que ela para a mesma posição e pagava uns 20 mil a mais pra ele, e ela reclamou no RH. Sabe o que ela ouviu desse chefe?

- Não sei por que você reclama, tem vários benefícios que você tem que seu colega não tem. O auxílio maternidade por exemplo, quando você quiser sair de férias prolongadas na empresa é só engravidar e ainda vai continuar recebendo salário.

Ok, ele não disse com essas palavras mas a essência foi essa. A autora abordou bastante nesse início a questão do sexismo, diferença salarial entre sexos.

No dia seguinte, eis que ela acorda pra realidade e se arrepende te ter mandado aquele email cheio de palavrões, e o Grant Lexington - nosso CEO - responde a mensagem. E passamos a ver o ponto de vista dele também, que apesar de ser dono da empresa ele costuma focar mais na parte financeira e não presta muita atenção na parte de mídias, apenas preza para que os funcionários contratados tenham certa formalidade, não façam merda, etc. E aí ele recebe o email e fica surpreso porque ele reconhece o nome dela, só não se recorda de primeira da onde já ouviu falar.

Uns dez anos atrás, quando a Irlanda se candidatou, eles investigaram a vida dela pra saber se ela tinha algum histórico ruim e na realidade não tinha nada, exceto uma multa de carro. Porém o pai dela tinha dezenas de páginas porque matou a mãe dela, quando ela era criança tinha até uma foto da Irlanda na capa do jornal chorando. E ele aprovou a contratação dela, ficou tocado com a história de vida dela mas nunca a conheceu pessoalmente, sabe?

No meio disso tudo, eles começam a trocar mensagens. Ela desabafa sobre o que sofreu na empresa, que ainda acha injusto a demissão e ele foi investigar melhor o que aconteceu. Quando ela foi buscar as coisas dela no escritório, acabou conhecendo ele pessoalmente mas sem saber que era o presidente. A Irlanda estava sentada no saguão do prédio, vendo vídeos fofos e ele acabou sentando ali na mesma mesa porque todas as outras cadeiras estavam vazias e ficou abismado com o quanto ela era bonita pessoalmente. Eles ficaram batendo um papo, flertando e ele a convidou pra almoçar. Ela foi buscar as coisas dela, deu a maior confusão com o ex chefe que ela tanto odiava e nisso o idiota decide escoltá-la para fora.

Pics-Art-01-18-10-58-18
Imagem da Cheeky Chicks Blogger

Na realidade ela falou um monte. Disse que ele só deu um jeito dela ser demitida porque era machista, que na verdade queria dar a vaga dela para outra funcionária que estava com uns vinte e poucos anos pra tentar algo a mais com a menina, algo como uma troca de favores sabe? "Eu te dou o cargo da pessoa que eu demiti e você me faz uns favores inapropriados". Nisso o babaca ficou puto com ela, meio que tentou tocar nela e aí o Grant apareceu e demitiu o babaca. Nossa, foi lindo. Quando a Irlanda descobre que ele é o presidente que até agora não tinha feito nada pra reverter a demissão dela ela vai embora, ele pergunta se eles ainda vão sair juntos e ela levanta o dedo pra ele, ri demais nessa parte haha.

Ela acaba voltando para o cargo dela depois de pedir um aumento, o Grant até pergunta quem a Irlanda gostaria que ocupasse o lugar do antigo chefe e ela indica uma pessoa da equipe e o Grant fica até surpreso. Algo como, "você não quer ocupar o lugar dele? Afinal, é você quem o substitui quando ele estava de folga ou férias". E ela responde algo como "estou aprendendo essa função, mas não estou pronta ainda". Um pouco depois, a menina que ia ser promovida no lugar dela aparece pra pedir desculpas, dizer que não tinha nada haver com o que tinha acontecido e a Irlanda pede pra menina sentar e dá um discurso maravilhoso, do tipo:

- Você é linda e inteligente, mas não deveria tentar conseguir algo pela sua aparência. Quando eu tinha a sua idade, eu não estava pronta para a função que exerço atualmente. Da mesma forma que atualmente eu não estou pronta para assumir a posição do babaca, mesmo que eu seja muito boa no que eu faço e esteja aprendendo. Mas você vê isso? Estamos aprendendo, subindo cada degrau de uma vez e por nosso próprio mérito e capacidade. Quando você tenta conseguir favores através da sua beleza, como pegar o cargo de uma colega e nem capacitada para isso está, você está dando margem para os comentários que nós mulheres ouvimos sempre, que só chegamos em uma posição alta porque alguém colocou a gente lá e não por mérito. Não seja esse tipo de mulher, conquiste por mérito e mostre a todos que você é capaz, não porque conquistou um cara.

Ícone de moda - Blair Waldorf

Mais uma vez não foi bem essas palavras mas foi tipo isso haha, foi uma das partes que mais gostei do livro. E não foi uma forçada de barra sabe? Tudo que acontece nesse livro é tão natural, tão humano que parecia uma história que poderia ter acontecido de verdade. Nós somos mulheres e devemos nos ajudar, se apoiar e não ficar tentando passar por cima da outra.

A partir daí o Grant começa a ligar pra ela, convidar pra almoçarem juntos no escritório dela, continuam trocando mensagens. Mas ainda fica a questão do inapropriado, porque ele é o chefe do chefe dela ne? Se ela foi demitida por fazer topless na praia nas férias, mesmo voltando pra função dela o que o pessoal diria se ela começa a sair com o presidente?  Conseguiu o cargo porque dormiu com o cara, se for promovida é porque tem "contatos" e não mérito. Sem falar que o Grant apesar de admitir sentir uma grande atração por ela, não se sente seguro para um relacionamento sério, diz que tem 7 anos que não sabe o que é isso. E aí a Irlanda vai descobrindo que ele já foi casado, que sofreu algum trauma mas é bem aos poucos mesmo sabe, você vai vendo eles se aproximando e mudando o relacionamento aos poucos. As inseguranças, os medos, desconfianças.

GIF da comunidade da 1ª temporada

Os capítulos são intercalados entre os dois, e em certa parte do livro você consegue ver o ponto de vista do Grant de anos atrás. Ele era apaixonado pela Lily, uma garota que cresceu com ele. Lily na verdade tinha uma mãe com problemas mentais, toda vez que a mãe dela surtava e era internada a Lily era levada pelos assistentes sociais para a casa do Grant, e era um ciclo que se repetia por anos. A mãe ficava boa, os assistentes sociais mandavam a Lily voltar a morar com a mãe, a mãe surtava, era internada... deu pra entender?

Nisso, a Lily e o Grant se apaixonaram e eu me apaixonei pelos dois. Foi estranho esse conflito sabe, torcer para o Grant e a Ireland no presente mas também torcer pelo Grant e a Lily no passado. Se eles se amavam tanto antes, o que aconteceu para o Grant ter se separado dela? Quando a Lily ia embora e ficava meses longe,e la escrevia uma carta para ele todos os dias, mas como ele não gostava de escrever eles fizeram um acordo: ele só escreveria uma carta pra ela no dia em que ele se apaixonasse por outra, e aí a Lily entenderia que acabou e não mandaria nunca mais uma carta. E quando você descobre o que aconteceu tudo faz sentido, é uma merda.

Para quem quiser um baita de um spoiler, basta passar o mouse abaixo:

Grant e Lily se relacionaram muito novos, ainda estavam na adolescência e já dormiam juntos. Não sei como ninguém na casa percebia que o relacionamento deles não era de "irmãos" de consideração. E aí quando eles já estavam maiores, ela engravidou, os dois se casaram. Só que a Lily começou a ficar depressiva, estranha. Na realidade ela sempre teve alguns problemas, tinha noite que nem dormia e ficava pintando. Eu ignorei isso durante a leitura mas depois fez sentido, ela era bipolar e tinha problemas mentais também em algum nível. Juntou a depressão pós-parto com essa bipolaridade e ela surtou, não queria mais ficar perto do Grant, não deixava ninguém chegar perto do bebê. Em uma noite, eles estavam em um barco e eles discutiram, o Grant começou a olhar para ela como alguém problemática mentalmente e se questionou: eu tenho que ser o marido ou o guardião dela? No meio da noite, a Lily pegou o bebê e jogou no mar e o bebê morreu. A Lily foi condenada, 25 anos de cadeia pelo assassinato porém por ter problemas mentais ficou internada numa clínica. Grant nunca a perdoou por isso, pediu divorcio, se separou e se culpou pra caramba. Por isso ele não confiava mais nas mulheres, porque ele amou tanto a Lily que não via os defeitos dela. Não queria mais ter filhos, tinha trauma. E todo dia a Lily enviada uma merda de carta pra ele, que ele pedia pra assistente jogar no lixo sem nem ler. No começo do livro achei estranho o CEO receber carta e mandar jogar fora, tipo, e se fosse algo importante dos negócios? Mas depois fez muito sentido, no final do livro ele escreve uma carta para a Lily e pede para ela parar de mandar cartas porque ele se apaixonou por outra.



Grant tem muitos traumas e problemas, em alguns momentos fiquei puta de raiva dele mas depois que tudo fez sentido fiquei com dó. Enfim, esse é um romance engraçado, divertido, dei boas risadas. Aqueceu meu coração ver a evolução do casal, os conflitos na empresa e as dores que cada um enfrentou anos atrás e ainda estava latente a mágoa, a raiva, a culpa. E é por isso que estou amando a Vi Keeland, ela é capaz de escrever um romance quente e ainda abordar temas sérios mas sem todo aquele dramalhão que algumas autoras colocam.

A mocinha é fantástica. É atrevida, fala poucas e boas, é sincera e honesta. É uma lutadora, sabe? Ela não se deixa derrubar facilmente e eu amei isso. A escrita é impecável, os diálogos incríveis, doce e impecável. Sem sombra de dúvida, entra na minha lista de melhores do ano.

0 Comentários