Os encantos de Arriete Vilela


Olá!!!!!



Boa tarde, SK quem vos fala depois da hibernação. Primeiramente gostaria de dizer que é um prazer voltar a escrever, estou tendo oportunidade de tirar alguns momentos para conversar com vocês um pouco mais sobre minhas experiências literárias e, espero, poder trazer dicas de leituras, e recebê-las também.






Como licenciado em Língua Inglesa eu me vi muito carente no conhecimento (para além dos títulos) da nossa boa e velha literatura nacional, então, como um dos meus desafios e resoluções para 2020 eu me atribuí a tarefa de ler mais obras consagradas ou não da Literatura Brasileira. E, para começar esse ano de 2020 eu vou falar de uma autora da minha terra, Alagoas, chamada Arriete Vilela, mais especificamente de um conto de sua obra Dona Flor etc.


Olhos da menina é uma narrativa dramática que conta a historia de uma garota e os meios que ela encontra para enfrentar as adversidades da vida. Ele nos mostra um dos caminhos, um dos perversos caminhos da vida, ao qual leva embora a juventude de uma criança e a faz ingressar em mundos perigosos e violentos, cheio de desesperanças e frustrações.

Deparando-se com a solidão e a incompreensão, o conto retrata a dor de quem é oprimido pela sociedade, ao mesmo tempo em que, retrata os que o oprimem. Mostra a realidade de uma forma que muitas vezes não vemos, seja por não querer, ou por não conseguir compreender. Quebra a superficialidade com que determinados assuntos são vistos diante da sociedade. Arriete, de forma simples e surpreendente, em todos seus contos consegue nos proporcionar uma viagem prazerosa aos encantos e costumes do Nordeste, ao mesmo tempo em que, com mesma simplicidade e sutileza, denuncia os bons costumes, que preciso frisar – não se restringem a realidade do nordeste brasileiro, mas de uma sociedade que ainda está impregnada com (des)valores de mercado, onde nós somos essencialmente objetos de produção e consumo e secundariamente dotados de sentimentos e eu não quero perder o foco do conto.

Desde o inicio do conto até as palavras finais Arriete escreve de forma simples e profunda, mostrando a vida de uma forma que poucos podem ver. Mostrando a dor, o desespero e os fatores que levam as pessoas a tomarem determinadas escolhas, ou os fatores que nos apontam a determinados caminhos por falta das escolhas. A solidão de ser sempre incompreendido.

O post é intencionalmente focado na narrativa da autora que, para mim, é uma das mais magnificas escritoras de contos Brasil da atualidade, e eu AMO contos. Garanto que, se você ainda não conhece, vai se deliciar com essa obra Magnifica chamada Dona Flor e etc. Depois de ler voltem aqui pra gente bater um papo alguém ainda fala assim hoje em dia?




Gente, tão me ligando e eu preciso sair correndo, ninguém nunca nos avisa que a vida de adulto é assim difícil, crianças não queiram ser adulto, ser adulto é uma m****. 

Postar um comentário

O que achou desse post? Encontrou algum erro ortográfico? Não deixe de comentar! Sua opinião é muito importante pra nós.
Não tem conta no google? Não tem problema.
Escolha a opção nome/url e coloque seu nome.
Volte sempre.

My Instagram

Copyright © Um Remédio Chamado Ler. Made with by OddThemes & Artworkdesign