Cinco motivos para ler: Mia Couto - Um Remédio Chamado Ler

Um Remédio Chamado Ler

Um cantinho legal na internet

27 de abr de 2018

Cinco motivos para ler: Mia Couto

Mia Couto, pleníssimo

Li por esses dias, Lueji - O nascimento de um império do Pepetela, e me deparei com a seguinte conclusão: EU SOU APAIXONADO PELA LITERATURA AFRICANA.

Por isso, resolvi fazer um post sobre Mia Couto, um dos meus escritores favoritos. Então, reuni cinco motivos para ler Mia Couto.





1| África

Mia Couto, além de escritor é biólogo, e é de Moçambique. Ultimamente para mim, a literatura africana tem sido de muito valia. Além do Mia e do Pepetela, tenho lido Chimamanda. E o que me impressiona e instiga a ler literatura africana, é o universo literário ligado ao universo vivido pelo autor. 

Todos sabemos que muitos países da África passam por extrema penúrias, muito por causa da colonização europeia e de guerras civis (Pesquisem sobre o genocídio de Ruanda). Mas temos que levar em consideração, que além das tristezas, os países africanos são coloridos, possuem uma cultura milenar e lindíssima. Nos livros de Mia Couto, é demonstrado as crendices, a fé, as danças. 

Um novo e belo universo.

2| Estilo lírico

As histórias contadas por Mia Couto, parecem mais um sonho. 
É lírico, poético, sensível. Aquele tipo de leitura que aquece a alma, sem exageros.Além do lirismo, Mia é adepto do realismo - fantástico, um grande expoente junto com Borges e Gabriel García Márquez.

Além do jogo de palavras que ele utiliza. Por exemplo, os nomes dos personagens, o nome das vilas e cidades, tudo faz parte da história. Cada nome tem um objetivo por existir. Por exemplo, um vila chamada esquecimento, uma moça chamado saudades. Além de criar palavras para causar aquele estranhamento e submersão em suas histórias. 

3| Histórias lindas 

As histórias deles fogem do lugar comum. Dele eu li os romances O outro pé da sereia e Venenos de Deus e remédios do diabo, e os livros de contos Estórias abessonhadas e Cada homem é uma raça.
E as histórias são geniais e ao mesmo tempo, poéticas. Geralmente, as histórias giram em torno de conflitos existenciais, éticos e familiares. Só lendo para entender (hahaha).

Por exemplo em O outro pé da sereia, um casal de aldeões encontram nas margens de um rio, uma santa, sem um pedaço do pé. Guiados pelo curandeiro da aldeia, o casal tem a missão de levar aquela santa para um igreja, sob pena, de uma maldição. E a igreja mais próxima, é a vila onde morava a mulher do aldeão. Uma história de saudades, reencontros, tristeza e fé. 

As histórias de Mia Couto são difíceis de resenhar, por causa da subjetividade e das complexidades de sentimentos que a leitura causa. Então aconselho a leitura integral dos livros sem saber nada da história. 

4| Ligação com o Brasil

Os livros de Mia, tem muita referência ao Brasil, com personagens brasileiros muito interessantes. Em O outro pé da sereia, há um casal de jornalista brasileiros que vão na cidade onde se passa a história para fazer um documentário. Couto, já falou em entrevistas, sobre sua ligação com o Brasil e com a literatura brasileira. 

5| Critica social.

Para mim, um bom livro é aquele que além de artístico, envolve crítica social. E isso tem de sobra nas obras do Mia Couto. Violência doméstica, guerra, charlatanismo, volta ao lar, esquecimento das tradições, preconceito, entre outros, estão entre os temas abordados na obra desse gênio.

Por fim, super indico os obras desse autor.

2 comentários:

  1. Não conhecia ele, mas gostei dos cincos motivos para ler, pelo visto ele tem obras muito boas, critica social é algo a se levar em consideração.

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o autor, mas adorei os motivos para conhecer as suas obras, principalmente a última que é o fato de suas obras terem criticas sociais. Vou pesquisar mais sobre ele

    ResponderExcluir

O que achou desse post? Encontrou algum erro ortográfico? Não deixe de comentar! Sua opinião é muito importante pra nós.
Não tem conta no google? Não tem problema.
Escolha a opção nome/url e coloque seu nome.
Volte sempre.