O protagonismo feminino na literatura e na TV. - Um Remédio Chamado Ler

Um Remédio Chamado Ler

Um cantinho legal na internet

3 de jan de 2018

O protagonismo feminino na literatura e na TV.


Atores da série "The Crow".
Terminei de assistir essa semana, a segunda temporada de The Crow na Netflix, escrita por Peter Morgan.

A aclamada série é baseada na história da Rainha Elizabeth II da Inglaterra, sendo que, cada temporada contará uma década da vida da rainha, uma série impecável.  E muito cara - uma das séries mais caras (e premiadas) já produzidas pelo sistema de streaming.

A primeira temporada, vai retratar a morte do Rei Jorge VI, que morreu precocemente vitimado por um câncer. A partir de então, Elizabeth tenta conciliar seu papel de rainha, como seu papel de esposa, de mãe e de irmã. Visto ser a relação com sua Irmã Margareth bem conturbada. 

Já na segunda temporada, a situação da rainha piora, enfrentando problemas como o Egito, com Gana e com possíveis adultérios de seu esposo, o Príncipe (primeiramente conde) Philip. Seu esposo, que por sua vez, demonstra-se acuado ao perceber o poder de sua esposa, uma das mulheres mais importantes do mundo e chefe da igreja oficial do país, a Anglicana.

Sim, sabemos disso.
Aguentar o marido de Elizabeth não é nada fácil (Ótima atuação e trabalho corporal de Matt Smith) pois, além de pedante, é "mimado" e infantil.

Há portanto, um forte protagonismo feminino nessa excelente série, além dos diálogos, da fotografia e do figurino impecável, e claro da atuação da sempre maravilhosa Claire Foy.

Porém, esse protagonismo não é raro nas artes. Na literatura, por exemplo, temos "n" exemplos de grandes personagens femininas, como Capitu, do maravilhoso Dom Casmurro.

Machado de Assis, teve duas fases em sua literatura, a romântica e a fase realista. Sendo esta, a mais interessante, pois, nessa escola surgiu grandes personagens permeados pelo pessimismo irônico de Machado. No realismo, entre outras características, a mulher é tratada como um ser intenso, dúbio, que erra com frequência e que possui pensamentos impuros. Ou seja, a mulher no realismo é um ser humano, e não aquele ser fantasioso, endeusado e chato dos romances indígenas.

Em Dom Casmurro, temos as memórias de Bentinho, e de suas paranóias, surge a dúvida: "Capitu, traiu Bentinho com seu melhor amigo Escobar?". Veja que aqui, a mulher é tratada como um ser que pode possuir desejos (lembrando, é claro, da época em que o mesmo foi escrito)
Claire Foy, como Rainha Elizabeth.

Além de Capitu, temos a imagem de Ana Karenina, do livro de mesmo nome de Tolstói (leitura em andamento) onde a mesma, contrai um relacionamento extraconjugal com o pretendente de sua irmã, em plena Rússia Czarista. 

E ainda, uma das minhas personagens favoritas Scarlatt O´hara, personagem peculiar do livro E o vento levou de Margaret Mitchell.

Em O vento levou, a personagem principal não possui os atributos exigidos para as mulheres de sua época. Não era inteligente (burra quem nem uma porta), tinha pouca beleza (isso é subjetivo) e não pensava muito nos outros (nem nos próprios filhos). Sim, uma anti-heroína. Muitos a consideram uma vilã.

Ora, Marcos, trazer essa personagem como uma mulher forte?. Tens certeza disso?.

Absoluta. Pois, a história do livro se passa durante a guerra de secessão americana. Ela vivia uma vida confortável, uma família feliz - na medida do possível - e com o conforto de seus escravos. Com a guerra, ela perde tudo isso. Ao longo do livro, as demais personagens aceitam que a guerra estava perdida e aceitam, também, a perda dos seus entes. Mas Scarlatt não. 

Sozinha, ela fez o trabalho braçal que nenhuma outra mulher da época faria. Conseguiu reerguer suas finanças, lembrando que, desde o inicio do livro esse era o objetivo dela. Ou seja, Ter uma vida confortável, numa época onde o correto era mulher trabalhar em casa e ter muitos filhos. 

Em Razão e Sentimento de Jane Austen, conta a história de duas irmãs Elinor e Marianne (tem uma terceira irmã, mas ela só faz figuração no livro). Enquanto Elinor é razão, Marianne é sentimento. E isso permeia toda a vida das duas, que com a morte do pai e a pobreza lhes visitando, teriam que "se virar" em meio a uma Inglaterra provinciana. Cito, Jane Austen, pois não concordo que muita gente diz, ser os romances dela "bobinhos", pois em nenhum momento o homem é idealizado. Elas se apaixonam por mero destino.

Mas e os livros atuais?. Indico, Dias de abandono, Trilogia Millenium, Hibisco Roxo, O conto da Aia (Leia a resenha). São vários os livros que tem um protagonismo com mulheres fortes. Porém, são nos livros clássicos que mais impressionam. Visto, a época em que foram concebidos. 

Partindo dessa premissa, destaco a Série The Tudors (mesmo criador de vikings) que data de 2007 até 2010 transmitida pelo canal  Showtime, diferente de The Crow, essa não é uma série perfeita. 

Longe disso. Erros históricos crassos, personagens desenvolvidos de forma apressada, personagens que "somem" ao longo da série. Todavia, o plot conta a história do Rei Henrique VIII, interpretado por Jonathan Rhys Meyers. O rei é um personagem abominável, arrogante, frio e vulgarmente falando, bem escroto mesmo. 

Casado com Catarina de Aragão da Espanha, sua esposa não conseguia gerar filhos homens, portanto, o rei começou a se envolver com Ana Bolena. Que com sua inteligência conseguiu influenciar um rei, estabelecer uma nova religião oficial, a anglicana (antes era a católica) e por fim, ajudou a instituir o divórcio.
Além de Ana Bolena, o Rei teve outras seis mulheres (grande parte delas com final trágico - mortas pelo rei). O rei apesar de sua prepotência e arrogância, foi manipulado pelo poder de uma mulher. Com isso, o protagonismo feminino mudou o curso da história da Inglaterra e bem dizer do mundo. 

O Rei Henrique e suas esposas.
São séries e personagens literários que nos encantam e que em sua época, causam (e como causam) muita polêmica. Por exemplo, Gustave Flaubert, foi processado por ter escrito Madame Bovary (fala sobre adultério cometido por uma mulher). Enfim, são personagens importantes e incríveis da arte, que mostram as mulheres como elas realmente são. Fortes, destemidas, falhas (como qualquer ser humano), apaixonantes, e que quebram convenções de gênero, pois até então, apenas homens tinham "autorização" para terem liberdade de agir e de pensar.

Então, usem os comentários, e me digam. Qual sua personagem feminina favorita?







17 comentários:

  1. Sabe aquelas séries que você passa de relance mas não chamam muito atenção? Ocorreu com a citada.
    Agora com a sua ajuda irei começar a assistir por tocar em um assunto muito importante.
    Beijinhos e Sucesso

    www.segredosdajuhcosta.com

    ResponderExcluir
  2. A minha personagem feminina favorita é a Sra. Clarck no filme o Sorriso de Monalisa, esse filme me emociona e me inspira, mas amo várias outras, Capitu, Aurélia Camargo, Mulher Maravilha, Ahhh são tantas né? <3 Gostei muito do seu post!

    ResponderExcluir
  3. Coincidentemente estou terminando de assistir uns 4 seriados e essa The Crow está na minha lista de próximos, e já vou incluir também The Tudors! muito bom o post!

    ResponderExcluir
  4. Que legal, depois dessa chuva de personagens femininas e fortes eu fiquei com vontade assistir e ler tudo! Achei super interessante as personagens!

    Beijos, Gi.
    Blog About Girls

    ResponderExcluir
  5. Adorei o post! Ainda não assisti a 2ª temporada de The Crow, mas é uma série que me encantou bastante por não "romantizar" as partes difíceis da monarquia e da Inglaterra.
    Dom Casmurro é um dos meus livros preferidos, acho a Capitu um "mulherão da porra", e sobre Razão e Sensibilidade, eu gosto mais de Orgulho e Preconceito, a Elizabeth Bennet me parece mais firme e complexa, mas é inegável o talento de Jane Austen. Concordo com você sobre os clássicos, são maravilhosos e os meus preferidos <3
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Adorei a temática do post, em Dom Casmuro podemos perceber nitidamente sobre isso. A minha personagem preferida no cinema é a Mulher Maravilha :)

    ResponderExcluir
  7. Essa série da Elizabeth eu ainda não assisti mas já está na minha lista desse ano, li varias críticass sobre ela e fiquei mega curiosa, amei o gancho que vc fez com a literatura brasileira e Tutors eu assisti é mega interessante comparar a história da série com a real :) Assisti razão e sensibilidade e orgulho e preconceito, confesso que não consigo escolher o melhor tanto de atuação feminina quanto de história rsrs

    ResponderExcluir
  8. Ai, amei seu post, quero muito nesse ano de 2018 assistir varias series e esta ´parece ser bem interessante, ja me chamou muito a atenção, principalmente dos looks, de como uma mulher tem o poder de cuidar de uma nação, em fim, boa dica a sua. bjus

    ResponderExcluir
  9. Oie, tudo bem? Que post mais interessante. Nunca parei pra analisar a forma como autores ou escritores retratavam a mulher, principalmente em livros de literatura como Dom Casmurro e já li o livro umas cinco vezes. Scarlett é um dos meus personagens preferidos. Beijos, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  10. Olá tudo bem ? Ainda não tive tempo mais quero muito assistir essa série. A história tem uma mulher forte e guerreira com um exemplo de superação. Bjssss

    ResponderExcluir
  11. Maravilhosa a postagem! Não só pela temática mas pela quantidade de boas referências que contém uma boa qualidade em termos culturais.
    Gosto de personagens femininas fortes e a minha preferida é Scarlett O'Hara de O vento levou.
    Beijinhos!

    Eliziane Dias

    ResponderExcluir
  12. Oi tudo bem? Adorei ver seus ótimos exemplos de personagens femininos relatados tanto na literatura como na TV.
    Ainda não assistir the crow
    Minha autora favorita é Jane Austen.

    ResponderExcluir
  13. Olá! Ai, adorei esse post. Ainda mais falando de uma das minhas séries preferidas de cara. The Crown mostra um lado mt bom que a gente pouco conhecia da Monarquia. Acho que o problema do Phillip era que no relacionamento deles, era o homem que abaixava a cabeça e isso sempre doeu. Ainda mais em um homem com alto cargo militar.
    Adoro Capitu, acho ela um mulherão que caiu em um casamento com um maluco. Então, sou do time que acredita que não traiu rs. Estamos entrando numa época onde as mulheres - graças a Deus - estão ganhando protagonismo, em papéis de heroínas, em papeis de empoderamentos... eu ando lendo alguns livros assim e fico pensando quantos deles não seriam bons para serem lidos nas escolas.
    Amei o post. Beijos

    https://almde50tons.wordpress.com

    ResponderExcluir
  14. oi!
    Eu não conhecia a serie, parece ser muito boa :D vou assistir.Adorei a dica !
    bjo

    ResponderExcluir
  15. Olá, tudo bem?

    Ainda não assisti The Crown, mas a série está na minha interminável lista da Netflix e espero poder assistir em breve. É interessante ver o que a obra retrata e como a mulher é vista e tratada.
    Adorei que você trouxe várias outras mulheres da literatura que são tão fortes e tão enigmáticas. Sou do time que não possui uma relação formada em relação a Capitu rs
    Espero que a cada dia as mulheres se imponham mais e conquistem seu lugar no mundo. Adorei o post!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Bom dia, Estou acompanhado essa série na netflix e estou encantada pela força da rainha. Já esses títulos brasileiros ainda não li mas representam a mulher e de maneira forte e marcante , algo que sem dúvida precisamos nos dias atuais.

    ResponderExcluir
  17. Que post maravilhoso! The Crown se tornou uma das minhas séries favoritas não só pela história mas o elenco é maravilhoso! Netflix realmente está apostando em séries com protagonistas femininas de peso e com força incrível.

    ResponderExcluir

O que achou desse post? Encontrou algum erro ortográfico? Não deixe de comentar! Sua opinião é muito importante pra nós.
Não tem conta no google? Não tem problema.
Escolha a opção nome/url e coloque seu nome.
Volte sempre.